Quinta-feira, 12 de Outubro de 2006

Cego é aquele que não quer ver...

Dois homens, ambos gravemente doentes, estavam no mesmo quarto de  hospital.

Um deles podia sentar-se na sua cama durante uma hora, todas as tardes, para que os fluidos circulassem nos seus pulmões.

A sua cama estava junto da única janela do quarto. O outro homem tinha de ficar sempre deitado de costas.

Os homens conversavam horas a fio. Falavam das suas mulheres, famílias, das suas casas, dos seus empregos, dos seus aeromodelos, onde tinham passado as férias...

E todas as tardes, quando o homem da cama perto da janela se sentava, passava o tempo a descrever ao seu companheiro de quarto todas as coisas que conseguia ver do lado de fora da janela.

O homem da cama do lado começou a viver à espera desses períodos de uma hora, em que o seu mundo era alargado e animado por toda a actividade e cor do mundo do lado de fora da janela.

A janela dava para um parque com um lindo lago. Patos e cisnes, chapinhavam na água enquanto as crianças brincavam com os seus barquinhos. Jovens namorados caminhavam de braços dados por entre as flores de todas as cores do arco-íris. Árvores velhas e enormes acariciavam a paisagem e uma tênue vista da silhueta da cidade podia
ser vislumbrada no horizonte.

Enquanto o homem da cama perto da janela descrevia isto tudo com extraordinário pormenor, o homem no outro lado do quarto fechava os seus olhos e imaginava as pitorescas cenas.

Um dia, o homem perto da janela descreveu um desfile que ia a passar:
Embora o outro homem não conseguisse ouvir a banda, conseguia vê-la e ouvi-la na sua mente, enquanto o outro senhor a retratava através de palavras bastante descritivas.

Dias e semanas passaram. Uma manhã , a enfermeira chegou ao quarto trazendo água para os seus banhos, e encontrou o corpo sem vida o homem perto da janela, que tinha falecido calmamente enquanto dormia.

Ela ficou muito triste e chamou os funcionários do hospital para que levassem o corpo.

Logo que lhe pareceu apropriado, o outro homem perguntou se podia ser colocado na cama perto da janela. A enfermeira disse logo que sim e fez a troca.

Depois de se certificar de que o homem estava bem instalado, a enfermeira deixou o quarto.

Lentamente, e cheio de dores, o homem ergueu-se, apoiado no cotovelo, para contemplar o mundo lá fora. Fez um grande esforço e lentamente olhou  para o lado de fora da janela que dava, afinal, para uma parede de tijolo!

O homem perguntou à enfermeira o que teria feito com que o seu falecido companheiro de quarto lhe tivesse descrito coisas tão maravilhosas do lado de fora da janela.

A enfermeira respondeu que o homem era cego e nem sequer conseguia ver a parede. Talvez quisesse apenas dar-lhe coragem...

(Via mail)

A Autora Mikas às 21:38
link do post | De sua justiça | favorito
|
14 comentários:
De abssinto a 12 de Outubro de 2006 às 23:49
Dizem que esta historia é mesmo verídica (ao contrário de tantas brasileirices sentimentalóides que nos chegam via e-mail). Verdade ou não, gosto de acreditar que sim e nesse caso gostaria de ter sido eu a escrever isso.

Um beijo Mikas e obrigado por me "linkares":)
Farei o mesmo* **
De Tino a 12 de Outubro de 2006 às 23:49
Poucas coisas se podem ver com os olhos...é quase tão verdade quanto poucas coisas se saboreiam na boca... á excepção de ...um beijo. Sim, sim, este é para ti! :)
De Daniela Mann a 12 de Outubro de 2006 às 23:55
HA HA HA HA HA HA HA HA HA
Este está hilariante!!!
Beijinhos
De Jofre Alves a 13 de Outubro de 2006 às 02:14
Passei para ver esta página agradável e interessante história, onde me delicio nesta madrugada, e também para desejar bom fim-de-semana.
De PiresF a 13 de Outubro de 2006 às 16:17
Já conhecia e é de facto uma excelente história.

Abraço.
De chuvamiuda a 13 de Outubro de 2006 às 16:40
.........olá mikas, assim vai o reino.........



Bom fim-de-semana
De Paulo Silva a 13 de Outubro de 2006 às 16:41
Está muito bom este teu texto.
O que revela que , não é necessário ver para se sêr feliz...Basta imaginar essa felicidade.
Bom fim de semana
De Betty a 13 de Outubro de 2006 às 18:28
Olá Mikas

É uma grande verdade:
Às vezes o maior cego é aquele que não quer ver .

BomFsemana

Beijinhos
De Quintanilha a 13 de Outubro de 2006 às 22:03
Uma história comovente, que por acaso eu já conhecia, mas que é sempre agradavel voltar a ler.

Posso dizer que fui vizinho de uma senhora idosa, já falecida, cega desde tenra idade, que tratava das flores todos os dias, mexia nelas carinhosamente e comentava que estavam lindas. E estavam! Ela conseguia distinguir pelo tacto as mais bonitas! Não é história, é verdade.
De ManuelNeves a 13 de Outubro de 2006 às 23:17
Viva!

Verdadeira ou não, pouco interessa. A verdade é que há pessoas com essa capacidade de fazer os outros felizes, principalmente nas situações mais agonizantes da vida.
E como é bom sentir a felicidade ...

Bonito sitio, este.
Voltarei.

Comentar post

***Beijos

Friendster

***Encontrem-me

 

***Março 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

***Fresquinhos

*** Novo Endereço

*** Um Brinde

*** Yuuuuuupiiiiiiiiiiiiiiiii...

*** Feliz Natal

*** Cucu

*** Fim de Semana

*** Compadre Inventor

*** Sunny Sunday

*** Actualização

*** Borat... grande treta

***Lá atrás

*** Março 2007

*** Dezembro 2006

*** Novembro 2006

*** Outubro 2006

*** Setembro 2006

*** Agosto 2006

***Comunica

Caixa Postal

***Amiguinho

MySpace Layouts

***Horinhas

***Visitantes

***Contabilidade

hits

***Moi même

Get Your Own! | View Slideshow

***Vale a Pena Espreitar

***Quem sou eu


*** ver perfil

*** seguir perfil